Família Bilharinho
A Família Bilharinho



A Família Bilharinho


O sobrenome Bilharinho originou-se no Brasil em 1893, com a chegada Jayme Suarez Villariño no país.

Jayme Suarez Villariño nasceu em Pentes, núcleo de população situado em La Gudiña (ou A Gudinã, em galego), povoado do sul da Galícia na Espanha, em 29 de novembro de 1871, sendo o caçula de uma família de 4 filhos (José, Avelina, Elisa e Jayme).

Era filho de Simon Rodrigues Suarez e Rosa Villariño. Herdou o nome Villariño no final, por este ser um hábito europeu na época.

A fome e a pobreza que a Galícia sofreu, no século passado, fez com que muita gente imigrasse para outras regiões da Espanha ou para outros países.

Em 1893, em busca de novas oportunidades, decidiu sair da Espanha rumo à Argentina. Porém, durante a viagem, à bordo do navio Clyde da Marinha Real Inglesa, encontrou-se com outros espanhóis amigos seus que tinham como destino o Brasil e projetos para instalação de uma padaria em Uberaba, Minas Gerais. Desta feita, mudou seus planos e resolveu se instalar em Uberaba, tornando-se um sócio da padaria que foi inaugurada na rua Tristão de Castro.

Pelo que consta na história da família, o nome Villariño foi alterado para Bilharinho, porque, ao se desembarcarem no porto de Santos, todos os estrangeiros deveriam ser registrados no Brasil. Como o registro era feito por um membro do governo, já que a grande maioria dos estrangeiros que aqui chegavam não conhecia o português, ao escutar o nome Villariño pronunciado, o escrivão grafou-o de acordo com o som que ouviu. Assim, como a letra "v" em espanhol é pronunciada como o nosso som da letra "b" em português, as duplas "ll" são pronunciadas como o nosso som de "lh" e a letra "ñ" pronunciada como o nosso som de "nh", a grafia de Villariño mudou para Bilharinho. O sobrenome Suarez foi mudado para Soares, por ser um nome já conhecido no país e grafado desta maneira.

Outra versão para a mudança da grafia do nome Villariño para Bilharinho seria por motivos políticos, uma vez que o nome adaptado para o português teria melhor aceitação no país.

Em 23 de junho de 1895, casou-se com Luíza Alzira de Oliveira, que passou a se chamar Luíza de Oliveira Bilharinho. Ela vinha de uma família humilde de Água Comprida, cujos pais eram João Aureliano de Oliveira e Presciliana Cândida da Silva. Aos 9 anos, perdeu o pai. Tinha mais 5 irmãos e o mais novo estava com apenas 9 meses. A família resolveu se mudar para Uberaba, em busca de melhores condições.

Após o casamento, instalaram-se no alto das Mercês. O Sr. Jayme saiu da sociedade da padaria e montou um armazém de secos e molhados na praça Dom Eduardo. Com a ajuda da esposa e do filho mais velho, Luís, os negócios foram progredindo, possibilitando, mais tarde, a compra de vários imóveis na cidade, sempre no alto das Mercês, como também de uma fazenda na região do Lageado (alto da Boa vista). Como bom católico, doou o terreno para a construção do Seminário São José. O casal teve 15 filhos.

Foi nomeado vice-cônsul da Espanha em Uberaba em 1923 e somente deixou o cargo por ocasião da 2ª Guerra Mundial. Foi também Presidente da Sociedade Espanhola em Uberaba por 50 anos.

Faleceu em 29 de agosto de 1948, em Uberaba, com 77 anos de idade e sua esposa no dia 21 de setembro de 1964, com 86 anos de idade, também em Uberaba.

Pesquisa realizada por Fernando Bilharinho e Fernanda Bilharinho de Mendonça. As informações foram fornecidas por Jayme Soares Bilharinho Junior e Presciliana Bilharinho Naves (filhos de Jayme Soares Bilharinho) e por outros familiares - abril/2003.

© Copyright 2003 - Família Bilharinho. Todos os direitos reservados.